A decadência do Animax

Era julho de 2005. Os otakus de todo Brasil estavam ansiosos com uma ótima notícia: a chegada de um canal de anime por aqui.  Ele chega e não fica devendo: vários animes novos estréiam e alguns antigos são arrumados. Sua antecessora, a Locomotion, sempre é lembrada com carinho, mas o fato é que não tinha uma quantidade tão grande de produções assim, além de vários problemas, como falta de legendas constante. O Animax melhorou muito isso.

A partir daí vem o que eu chamo de “era de ouro” do Animax Brasil. Vários animes novos e bons, como Full Metal Alchemist e Hellsing e posteriormente Noir. Nessa época pude assistir muita coisa interessante que nem imaginava que existisse.

Ok, existiam alguns problemas. O mais chato deles na minha opinião era o esquema de repetição de episódios. Eles passavam até uma determinada fase e de repente paravam e repetiam do início. Sendo que não era nem o fim de uma temporada nem nada, simplesmente coratavam no meio. Foi isso que me fez não assistir Fullmetal até o fim.

Mas então algo começou a dar errado.

Que eu me lembre primeiro foi o malfadado Lolipop. Tudo bem que eles podem querer colocar uma faixa de horário com animes mais quentes, é uma fatia específica de público que eles podem atrair. O problema é como isso foi feito. Em primeiro lugar colocaram comerciais sobre isso todo o dia, com muita insistência. Pensem no seguinte caso: uma criança assistindo Pita Ten de manhã. Um anime sem muita malícia, os pais aprovariam. Eis então que no intervalo comercial aparece uma mulher vestida com uma roupa mínima de colegial com um pirulito na boca e rebolando. Esse é o lado “mais doce do animax”. O que um pai que vê isso pensa? Esse é um canal imprópio para menores. Então a tal criança simplesmente é proibida de assistir seu anime inocente.

Entendem onde eu quero chegar? Ao fazer marketing massivo sobre esse bloco de programação eles abriram mão de todo um público mais jovem. Isso é exatamente o contrário do que os canais costumam fazer, que é diversificar para atrair vários públicos.

Outro problema causado por esse marketing foi a propaganda enganosa. Muita gente não gosta de hentai, isso é fato. Então alguém que não conhece e vê que apresenta XXX Holic como sendo um anime hentai pensa: não vou assistir, não gosto de hentai. E uma pessoa que gosta de hentai vai se animar e ir lá assistir. Ao ver que não tem nada de hentai lá vai se decepcionar. Ou seja, eles conseguem perder tanto quem gosta de hentai quanto quem não gosta, pq vamos ser sinceros: a maioria dos animes que passam naquele bloco estão bem longe de ser tudo o que eles prometem.

Então chegamos a terceira fase. Os clips de j-pop ou j-rock são substituídos por clips latino americanos ou outras coisas nada a ver. Aparecem alguns programas diversos da proposta, que era ser um canal de anime. As dublagens começam a piorar muito de qualidade, o que indica a falta de exigência do canal. Em uma época onde qualquer um pode baixar o que quer na internet uma dublagem boa é crucial, pois é algo mais que as pessoas não vão achar na internet. Ou alguém prefere baixar Yu Yu Hakusho, por exemplo, em vez de ver o anime com aquela dublagem maravilhosa?

Então chegamos ao fim. O canal perdeu seu rumo, virou canal-de-anime-metido-a-canal-de-série e não consegue fazer nenhuma das coisas bem. Se a justificativa foi a perda de audiência fizeram mal, pois existe muita concorrência nessa área, e os antigos e fiéis telespectadores começam a abandonar o barco. O canal se despersonalizou, antes era O canal de um nicho, agora é mais um entre muitos de séries.

O que faltou? Em primeiro lugar sempre trataram o Brasil como parte da América Latina. Nunca senti uma proximidade maior com o país. E cá pra nós, o Brasil além de ser bem diferente do resto da AL é um mercado muito grande, o que justifica uma atenção especial. O Disney Channel fez isso e é líder de audiência.

Outro ponto é que me parece que essas pessoas jamais entenderam muito sobre a cultura otaku. O caso lamentável do Lolipop é um exemplo: em vez de lutarem contra o preconceito de que anime = pornografia eles ainda estimularam isso. O fato é que hoje em dia existem animes muito variados, se fosse investido mais esforço em tentar mostrar isso muita gente poderia passar a assistir seu gênero favorito. Somente com animes eles poderiam ao mesmo tempo criar espaços voltados para crianças, adolescentes garotos e garotas, homens e mulheres. Sempre variando o estilo. Mas ao invés disso pareciam ignorar toda essa diversidade que existe, colocando tudo em um saco só.

Enfim, ainda bem que existe a internet.

By Shaoran

One Response to “A decadência do Animax”

  1. jennysakura

    Adorei demais este post! Realmente acontece isso… eu já não estava satisfeita com o trabalho do Animax… mas de vez enquando ainda parava lá para assistir Eva ou algum anime que eu gostasse… mas quando começaram com isso de lolipop ficou insuportável, o tempo todo ficam colocando esses comerciais apelativos sem a mínima necessidade… o fim da picada foi classificar XXX Hollic como tal >_<
    E os clipes latinos e séries esquisitas que eles colocam? E a dublagem HORRENDA de Bleach? UÓ!

    Enfim, ainda bem que existe a internet²

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s